Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Apple e Epic Games, criador do Fortnite, se enfrentam no tribunal - 03/05/2021
O processo aberto pela Epic Games, criadora do popular jogo de videogame Fortnite, contra a Apple começa a ser decidido nesta segunda-feira (3) em um tribunal da Califórnia, processo que será acompanhado de perto por toda a indústria de tecnologia.

A Epic Games questiona nesse processo o funcionamento das plataformas dominantes e seu controle sobre o grandioso negócio dos aplicativos móveis.

Tudo começou no verão passado, quando a desenvolvedora de jogos eletrônicos desafiou a Apple, oferecendo aos jogadores a compra da moeda virtual do Fortnite mais barata se eles o fizessem diretamente por meio do seu sistema de pagamento, e não pelo da Apple, que cobra uma comissão de 30% por essas transações.

A Apple imediatamente removeu o jogo da App Store, sua loja de aplicativos, um item obrigatório em iPhones e iPads para baixar aplicativos.

Logo, os fãs do jogo "battle royale" (jogo de sobrevivência) que possuem apenas dispositivos móveis da Apple não tiveram acesso às atualizações desde então.

A Epic Games abriu um processo contra o grupo californiano por abuso de posição dominante.

Após meses de discussões jurídicas e na imprensa, a juíza Yvonne González Rogers avaliará o caso por três semanas em Oakland, uma cidade perto de São Francisco.

Ambas as empresas concordaram em um julgamento sem júri. Tim Cook e Tim Sweeney, diretores da Apple e da Epic, respectivamente, devem comparecer pessoalmente para depor.

Por sua vez, com algumas exceções, equipes de advogados, a imprensa e o público estarão presentes nas sessões por meio de telefone ou Zoom, como medida de precaução sanitária devido à pandemia da covid-19.

- "Cão que ladra, mas não morde" -

A Apple "construiu um ecossistema para restringir a distribuição de aplicativos, excluir rivais, prejudicar a concorrência e os consumidores", resumiu a Epic Games em documentos apresentados à justiça no início de abril.

A fabricante do iPhone tem sido repetidamente apontada como sendo juiz e parte, já que define as regras para se conseguir entrar neste mercado de ao menos 1 bilhão de pessoas, além de definir sua comissão nas transações, ao mesmo tempo que oferece seus próprios aplicativos.

A App Store é um "milagre econômico", respondeu Tim Cook em uma entrevista por podcast ao New York Times no início de abril.

"A Apple ajudou a construir uma economia que gera mais de US$ 500 bilhões por ano e só recebe uma fração desse montante por todas as inovações que facilitou e custos operacionais", disse Cook.

Há anos o grupo de tecnologia argumenta que sua comissão entre 15% e 30% sobre as vendas feitas através da App Store está em um nível padrão e que existe para garantir o bom funcionamento e a segurança da plataforma.

"A Epic usará sua enorme base de usuários (cerca de 350 milhões de jogadores Fortnite registrados em todo o mundo), que não existe equivalente, para construir suporte por meio da mídia social", anunciou Dan Ives, analista da Wedbush Securities.

Mas ele observa que a defesa da Apple é bem aceita e não falha há anos.

"Wall Street vê essa ameaça como um cão que ladra, mas não morde. Quando a Apple vencer, acreditamos que isso fortalecerá o controle do grupo sobre sua App Store e seus pagamentos".

Levando em consideração as apelações e recursos, essa batalha judicial pode durar anos. Mas também pode influenciar o debate atual sobre o direito da concorrência. Porque a Epic não está sozinha nessa missão.

No outono, ela se uniu a uma dúzia de empresas - incluindo os serviços de streaming de música Deezer e Spotify - sob o título "Coalition for App Fairness".

Vários reguladores antitruste dos Estados Unidos estão investigando as práticas da Apple, assim como as da plataforma de comércio virtual Amazon.

E na sexta-feira, a União Europeia, quanto a uma ação judicial do Spotify, considerou que a fabricante do iPhone "distorce a concorrência" para derrubar seus rivais, principalmente graças às comissões "muito altas" das quais os produtos da própria empresa estão isentos.



Fonte: Estado de Minas
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.