Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Por que a compra da Groenlândia atrai Trump? - 22/08/2019
Caiu muito mal na Dinamarca o repentino cancelamento da viagem que o presidente Donald Trump faria ao país após ver frustrada a sua tentativa de comprar a Groenlândia. O negócio foi motivo de piada, mas era sério. De conservadores a extrema esquerda, ninguém quis ouvir a proposta. E o presidente americano não se conformou com a recusa unânime, tanto de dinamarqueses quanto de groenlandeses, arrumando mais uma rusga diplomática com um país aliado.

A ideia da aquisição sequer é nova. Em 1946, o então presidente Harry Truman ofereceu US$ 100 milhões em ouro para comprar o território autônomo da Dinamarca. Localizada entre os oceanos Atlântico e Ártico, a Groenlândia é uma ilha que só perde para a Austrália em tamanho. Durante a Guerra Fria seria estratégica para os EUA, que instalaram ali uma base militar.

Os tempos são outros. Em guerra comercial com os EUA, a China renova seu interesse na ilha e desafia o presidente americano. Com 80% de sua área coberta por gelo, o território abriga reservas de abundantes de metais de terras raras sob sua superfície. E há ainda a crença de que o aquecimento global acelerará a extração de recursos naturais e facilitará o acesso de China e Rússia ao Ártico.

Num cálculo por baixo, o “Financial Times” estimou uma possível oferta dos EUA em US$ 1,1 trilhão. Mas os groenlandeses, que por natureza já resistem à dependência da Dinamarca na defesa e na política externa, reagiram ainda com mais desprezo ao interesse de Trump.

No mesmo tom taxativo -- “a Groenlândia não está à venda” --, a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, e o líder da província, Kim Kielsen, não quiseram ouvir qualquer proposta. O chanceler Jeppe Kofod foi além: a ilha de 56 mil habitantes não será comprada em dólares, yuans ou rublos.

O que a premiê tratou como uma brincadeira foi encarado como prioridade e um negócio promissor pelo presidente americano. Seria a maior aquisição territorial dos EUA em mais de um século e consolidaria o presidente no patamar de um expansionista -- considerado uma virtude para o magnata que construiu sua fama em ousadas transações imobiliárias.

Diante da grita geral, para tentar acalmar os ânimos, ele postou a imagem da Trump Tower dourada no que parecia ser um vilarejo do território gelado e advertiu: “Eu não farei isso na Groenlândia!” Se depender do reino da Dinamarca, não há a menor chance de os EUA fincarem a bandeira americana ali.


Fonte: G1
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.