Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Para líderes, Bolsonaro estimulou protestos, mas ordem é ignorar e tocar 'agenda de MPs' - 27/05/2019
A avaliação de parlamentares de diferentes partidos ouvidos pelo blog nesta segunda-feira (27) é a de que o "núcleo duro" do presidente Jair Bolsonaro "estimulou" as manifestações deste domingo (26), em todo país, a favor do governo, às reformas e contra o chamado "Centrão".

No entanto, a ordem dos principais caciques partidários – incluindo a cúpula do Congresso – é ignorar e evitar responder às manifestações, além de não retaliar com a aprovação de medidas contrárias ao governo. A estratégia traçada é focar na agenda das medidas provisórias nesta semana.

As medidas mais delicadas – que, se não forem votadas – caducarão (perderão a validade) são as 871 e 868.

A 871 cria uma nova estrutura com objetivo de promover um pente-fino nos benefícios concedidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de combater fraudes em aposentadorias e pensões.

A 868 altera o marco legal do saneamento. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tentará um acordo até terça-feira para votar a MP do Saneamento. Se não houver consenso, deputados já discutem um projeto de lei com urgência para o tema.

Uma medida provisória tem força de lei quando publicada no "Diário Oficial da União", mas precisa ser votada em 120 dias no Congresso, caso contrário, perde a validade.

Deputados têm se queixado, como mostrou o blog na semana passada, do excesso de medidas provisórias editadas pelo Executivo. Para os parlamentares, o governo "dribla" o Congresso ao "governar por MPs" – e a ideia é “limitar” o poder do Planalto, com projeto para reduzir a edição das MPs.

Sobre a reforma da Previdência, cresce entre os parlamentares a percepção de que o governo não consegue maioria para aprovar no primeiro semestre o texto.

Mas, agora, a ordem entre os grupos de partidos na Câmara é não rebater o governo quando eles disserem que há 270 votos para a Previdência. A ideia é dizer que, quando o governo obtiver os 308 votos necessários para aprovar a proposta de emenda à Constituição, a Câmara votará a proposta.

Uma tarefa que cabe ao Planalto, ou seja, arregimentar votos para aprovar.



Fonte: G1
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.