Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Previdência: governo avalia proposta de transição que soma idade e tempo de contribuição - 17/01/2019
A equipe econômica avalia para a reforma da Previdência uma proposta de transição que leva em conta não só a idade mínima, mas também o tempo de contribuição do trabalhador, informa o repórter Nilson Klava, da GloboNews.

Entre as hipóteses estudadas, integrantes da equipe técnica avaliam a que propõe uma transição de 15 anos, num cenário em que a idade mínima seria de 65 anos para homens e 62 para mulheres, a exemplo da proposta que está pronta para ser analisada pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Nesse caso, seria adotado o sistema de pontuação, com idade mínima flutuante, baseado na soma da idade e do tempo de contribuição.

A proposta é parecida com a fórmula 85/95 usada atualmente e sancionada pela ex-presidente Dilma Rousseff.

Haveria um tempo mínimo de contribuição de 35 anos para homens e 30 para mulheres.

A proposta prevê um período de transição de 15 anos. Durante esse período, a soma de pontos que o contribuinte precisaria alcançar para ter direito a se aposentar aumentaria um ponto a cada ano.

Assim, para homens, a soma inicial de idade e tempo de contribuição a ser alcançada para o contribuinte poder reivindicar a aposentadoria começaria com 96 pontos no primeiro ano e chegaria a 110 ao fim dos 15 anos de transição. Para mulheres, a pontuação inicial seria de 86 e a final, de 100.

A tabela de pontuação do período de transição seria a seguinte, no caso dos homens:

    Primeiro ano da transição: 96 pontos
    Segundo ano: 97
    Terceiro ano: 98
    Quarto ano: 99
    Quinto ano: 100
    Sexto ano: 101
    Sétimo ano: 102
    Oitavo ano: 103
    Nono ano: 104
    Décimo ano: 105
    11º ano: 106
    12º ano: 107
    13º ano: 108
    14º ano: 109
    15º ano: 110

Exemplo 1: no caso hipotético de um homem que fez a contribuição mínima de 35 anos, ele poderia se aposentar, no primeiro ano da transição, com 61 anos (35 + 61= 96).

Exemplo 2: se o tempo de contribuição desse mesmo homem no primeiro ano da transição for de 37 anos, ele teria direito a se aposentar aos 59 anos (37 + 59 = 96)

Exemplo 3: se o tempo de contribuição desse homem são os mesmos 37 anos, mas no quinto ano do período de transição, ele poderia se aposentar aos 63 anos (37 + 63= 100).

Exemplo 4: se o tempo de contribuição desse homem for de 40 anos no sétimo ano do período de transição, ele poderia se aposentar aos 62 anos (40 + 62 = 102).

A estratégia pode ser usada pelo o governo para reforçar que a reforma é destinada a corrigir o rombo fiscal, mas sem ser aplicada de forma "abrupta", como já disse o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Assim, a equipe acredita que a resistência para aprovação no Congresso seria menor.

A proposta em análise prevê que, durante a transição, o trabalhador poderia escolher entre a regra de pontuação e a regra final de idade mínima (65 anos para homem e 62 anos para mulher).

No fim da transição, quem superasse a idade mínima com o somatório final da pontuação poderia ganhar uma espécie de "bônus" – forma que poderia ser usada para estimular a aposentadoria mais tardia.

Apesar de o texto estar em análise por integrantes da equipe econômica, o martelo ainda não está batido sobre a versão final que será apresentada primeiro ao presidente Jair Bolsonaro e, depois da avalição dele, ao Congresso Nacional.

A expectativa é que o rascunho do texto seja entregue ao presidente até domingo. O presidente poderá analisar os números junto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante viagem para o Fórum Econômico de Davos.

Na volta, antes da possível cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, a decisão deve ser tomada. O objetivo do governo é enviar a versão final ao Congresso no início de fevereiro, quando os parlamentares voltam do recesso.

Diante de tantas incertezas, o único ponto praticamente consensual entre equipes política e econômica é que o governo deve aproveitar o texto que já está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados como base para as alterações numa tentativa de ganhar tempo já que, assim, a proposta não teria que passar novamente pelo crivo de comissões.



Fonte: G1
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.