Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Estados Unidos contra a Huawei - 07/12/2018
A prisão no Canadá da executiva chinesa Meng Wangzhou, diretora-financeira da fabricante de equipamentos de telecomunicações Huawei, representa mais que o acirramento da disputa comercial entre Estados Unidos e China. Traz ingredientes de uma história de espionagem na nova Guerra Fria entre chineses e americanos.

Meng foi presa enquanto fazia uma conexão entre voos em Vancouver. A notícia derrubou ontem bolsas do mundo todo e esfriou o clima de otimismo que sucedeu a trégua de 90 dias na guerra comercial, acertada entre Donald Trump e Xi Jinping na reunião do G-20 em Buenos Aires.

O pretexto é a acusação, investigada desde 2016, de a Huawei ter violado sanções impostas pelos Estados Unidos, ao exportar para o Irã equipamentos fabricados com componentes americanos. A realidade é bem mais nebulosa que um simples caso de comércio exterior.

A Huawei foi fundada em 1987 pelo pai de Meng, Ren Zhengfei, que antes desenvolvia tecnologia para o Exército chinês. É a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do planeta e, desde agosto, ultrapassou a Apple e se tornou a segunda maior vendedora de celulares, atrás apenas da coreana Samsung.

No Brasil, atua há 20 anos e foi, em 2017, a 11ª maior empresa do setor, com faturamento perto de R$ 2,5 bilhões, de acordo com o Anuário Telecom. É líder na área e redes corporativas, e seus equipamentos estão disseminados pelas principais operadoras telefônicas. Recentemente, firmou um acordo com o Ministério da Ciência e Tecnologia para “acelerar inovações”, “ampliar a cooperação técnica” e o “desenvolvimento de serviços de telecomunicações”.

No mundo todo, a Huawei sempre cresceu à sombra das suspeitas de ligações com o Estado chinês. Em abril, os Estados Unidos passaram a considerá-la uma ameaça à segurança e proibiram empresas e órgãos do governo de comprar seus equipamentos (como os da chinesa ZTE).

Em agosto, o governo australiano vetou a participação da Huawei e da ZTE nas licitações da nova rede de celular 5G no país. No Reino Unido, a British Telecom decidiu remover equipamento da Huawei da rede 4G hoje em fucionamento. Na Nova Zelândia, a Huawei foi proibida de fornecer dispositivos de telefonia móvel a uma telefônica local.

Austrália, Reino Unido, Canadá, Nova Zelândia e Estados Unidos formam o grupo conhecido nos círculos de espionagem como “five eyes”. Como deixaram claros os documentos vazados por Edward Snowden em 2013, os cinco países compartilham segredos de Estado e mantêm operações conjuntas de espionagem e contra-espionagem.

A ofensiva contra a Huawei ocorre num momento de suspeitas crescentes a respeito do uso, pelo governo chinês, de produtos tecnológicos para espionagem. Em 2016, veio à tona a revelação de que celulares chineses fabricados pela ZTE e pela Huawei vinham equipados com software que permitia enviar dados a servidores na China.

Em outubro, a Bloomberg Business Week publicou uma reportagem de capa afirmando que a chinesa Super Micro Components inseria em placas de hardware minúsculos chips de monitoramento – essas placas, dizia a Bloomberg, estavam no coração dos centros de processamento de Amazon e Apple e tiveram de ser substituídas às pressas.

A reportagem da Bloomberg, realizada apenas com base no depoimento de informantes anônimos, foi contestada por todas as empresas citadas. O CEO da Apple, Tim Cook, exigiu retratação. A controvérsia lançou os holofotes sobre a névoa que cerca o avanço digital chinês, cujo maior símbolo é o domínio crescente da Huawei nas telecomunicações.

A Huawei nega todas as acusações de violação das sanções e afirma operar dentro da lei em todos os países onde atua. Mesmo que tenha razão, a prisão de Meng prova que a disputa entre Estados Unidos e China transcende o campo comercial. É a principal batalha pelo poder neste milênio – dentro e fora do mundo digital.


Fonte: G1
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.