Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Notícias
Eventos
Clipping
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
PF afirma que Pezão cobrava 'taxa' de até 8% do valor de contratos para benefício próprio - 29/11/2018
Luiz Fernando Pezão não só fez parte do esquema de corrupção de Sérgio Cabral como também desenvolveu um mecanismo próprio de desvios quando seu antecessor deixou o poder. É o que afirmam autoridades da Lava Jato nesta quinta-feira (29) - quando pela primeira vez um governador do RJ foi preso no exercício do poder.

As investigações apontam que era cobrada taxa média de 5% de contratos do estado para benefício próprio de Pezão e perpetução do esquema criminoso. Um dos "acordos" chegou a 8% do valor.

“Essa organização criminosa continua atuando especialmente em relação à lavagem de dinheiro", explicou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em Brasília. O governador do Rio de Janeiro recebeu voz de prisão nesta quinta-feira (29) no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do Executivo Fluminense.

De acordo com os agentes, o governador se surpreendeu com a chegada da Polícia Federal e achou que era para cumprir um mandado de busca e apreensão no local e não de prisão. No entanto, Pezão reagiu bem e chamou os advogados imediatamente.

No Rio, representantes da força-tarefa da Lava-Jato também deram detalhes da Operação Boca de Lobo e destacaram a continuidade dos malfeitos. "Após a saída de Sérgio Cabral do governo, Pezão passou a comandar seu próprio esquema de corrupção", afirmou o delegado Alexandre Camões Bessa, delegado da PF.

As empresas envolvidas destinavam 5% dos valores dos contratos para o esquema de corrupção comandado por Pezão, diz a PF. Um dos casos apontados pelo delegado foi o da Fetranspor.

De acordo com o delegado da PF Alexandre Camões Bezerra, Pezão era parte do esquema de corrupção de Sérgio Cabral. Uma vez estando no poder, o governador passou a ter seus próprios operadores e seguiu os atos de corrupção no comando do poder executivo do RJ.

"O dinheiro era recolhido entre empresas e prestadores e entregues a operadores", destacou Bessa.

"Essa operação estava madura para ser deflagrada neste momento", destacou o superintendente da PF no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi. Ele afirmou que as mais modernas técnicas de investigação foram usadas na ação desta quinta.

O político recebeu voz de prisão às 6h no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador.

Batizada de Boca de Lobo, a operação é baseada na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Sérgio Cabral. O ex-governador, de quem Pezão foi vice, também está preso.

Segundo o Ministério Público Federal, Pezão opera esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros. Há provas documentais do pagamento em espécie a Pezão de quase R$ 40 milhões, em valores de hoje, entre 2007 e 2015.


Fonte: G1
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.