Informativo Tributário nº 42 - Janeiro

fiscoObrigações Tributárias do primeiro mês de 2009

Nesta abertura do exercício fiscal anual, é importante que todos os contribuintes, já no início do mês de Janeiro até o final do mês de Abril e Junho, estejam cientes que estão obrigados a entregar inúmeras declarações ao Fisco, sob pena de serem considerados inadimplentes.

 

Exemplo destas declarações são as exigidas quanto: 

 

- IRPF, Imposto de Renda Pessoa Física;

- DIPJ, Declaração das Informações Econômico - Fiscais da Pessoa Jurídica;

- DCTF, Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais, apuração mensal e semestral conforme o caso;

- DACON, Demonstração de Apuração de Contribuições Sociais, apuração mensal;

- SINTEGRA, apuração mensal.

 

A não observância dos prazos e formalidades para entrega destas declarações importam em multas pelo atraso e em aplicação de sanções políticas de natureza fiscal, que impede inclusive, a expedição de CND, a manutenção de regimes especiais de arrecadação e, ainda, acarretam suspensão de deferimento de autorização para emissão de notas fiscais. 

 

A mais grave conseqüência é o enquadramento em “Crime de Sonegação”, em quaisquer de suas diversas modalidades. Nestes casos, além da Ação Penal, acompanha a imposição de multas de 200% sobre a exação fiscal.

 

Diante desta situação, todos os contribuintes devem, através de parcelamentos judiciais ou através de procedimentos administrativos, regularizar  e dar transparência de suas operações perante o Fisco, assim, elidindo a hipótese de “sonegação”.

 

Inúmeras empresas possuem parcelamentos junto à Receita Federal (ex-INSS e tributos federais), junto aos Estados (ICMS), junto aos Municípios e, muitas vezes, junto à administração do FGTS.

 

A grande maioria das empresas brasileiras estão inadimplentes porque são obrigadas a pagar juros excessivamente altos aplicados pelo Fisco (juros SELIC) e pelo sistema financeiro nacional.

 

As empresas necessitam buscar recursos em bancos para financiar o pagamento dos impostos que são cobrados antecipadamente. No Brasil os impostos são exigidos parte na compra da matéria-prima e/ou insumos (substituição tributária) ou no momento da emissão da fatura. Portanto, em todos os casos, o pagamento se dá muito antes do recebimento do preço do produto ou do serviço, que o contribuinte vendeu.

 

Não fosse isto suficiente, o Fisco, ilegalmente, adota um sistema de aplicação de multas sempre superiores a 20%, quando o  máximo permitido em  lei e por decisões do Supremo Tribunal Federal - ADIN 551 - é de 20% do valor do tributo.

 

Poucos são os contribuintes que conseguem  honrar  pontualmente com  as exigências fiscais frente a está absurda, complexa  e inadequada cobrança de carga tributária.

 

O mercado, por sua vez, convive com serviços e produtos oriundos de países cuja prática fiscal é reconhecidamente mais conveniente e competitiva.

 

Portanto, torna-se mais do que oportuno este alerta!

 

No início deste ano é imprescindível que os contribuintes  - administrativa ou judicialmente - regularizarem suas pendências junto ao Fisco, antes que este custo seja agravado por sanções fiscais de toda espécie!

 

Andrea Sartori
Assessora Contábil
CRCRS 79.814
Voltar ao Topo
A incidência exclusiva de ISS na manipulação de medicamentos por farmácias – ilegalidade da cobrança de ICMS
(leia mais)
Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro contrapõe crítica do Banco Mundial
(leia mais)
A Legalidade e os Desafios para o Desenvolvimento
(leia mais)
Prazos de decadência e prescrição das contribuições sociais
(leia mais)
Prazo Prescricional para cobrança de contribuições previdenciárias
(leia mais)
Voltar ao Topo
Execução Fiscal e Ação Anulatória – Conexão reconhecida pelo STJ
(leia mais)
Imunidade ICMS
(leia mais)
Voltar ao Topo
Penhora de bens
(leia mais)
Variação cambial livre de tributos
(leia mais)
Preocupação agora é com as economias emergentes
(leia mais)
Gigante indiana Satyam abala mercados com fraude contábil
(leia mais)
Eliminação de créditos de ICMS beneficia empresas
(leia mais)
Escândalo Madoff
(leia mais)
Voltar ao Topo

Caso não queira mais receber nosso informativo, clique aqui.