Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Jurisprudência
Doutrinas e Artigos
Perguntas e Respostas
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Prescrição Intercorrente na Execução Fiscal
Dra. Lisnare Siochetta Alves

A Lei de Execução Fiscal n. 6.830/80 no ano de 2004 obteve algumas inovações, dentre elas a inclusão do parágrafo 4º, no artigo 40, que trata da aplicação da prescrição intercorrente na execução fiscal.

Cumpre transcrever o dispositivo, in verbis:

“Art. 40. O juiz suspenderá o curso da execução, enquanto não for localizado o devedor ou encontrado bens sobre os quais possa recair a penhora, e, nesses casos, não correrá o prazo da prescrição.

(...)

§ 4º Se da decisão que ordenar o arquivamento tiver decorrido o prazo prescricional, o juiz, depois de ouvida a Fazenda Pública, poderá, de ofício, reconhecer a prescrição intercorrente e decretá-la de imediato.”

Deste modo, o emprego da prescrição intercorrente decorre da não localização do devedor ou de seus bens passíveis de penhora.

Entretanto, antes dessa alteração, havia divergência jurisprudencial atinente a possibilidade ou não da contagem do prazo prescricional, tendo em vista que o caput do artigo 40 somente mencionava a viabilidade da suspensão da execução fiscal.

Assim, uma primeira corrente entendia que a execução poderia ficar suspensa ad eternum, até que se encontrassem bens penhoráveis, a fim de satisfazer o crédito fiscal. Outra defendia a tese pelo princípio da segurança jurídica, o qual impossibilitava a permanência da execução por tempo indeterminável, sendo necessária a aplicação do artigo 174 do Código Tributário Nacional (preleciona a prescrição de cinco anos, a contar da constituição definitiva de crédito tributário), haja vista que a Lei Complementar é hierarquicamente superior a Lei Ordinária.

Contudo, após julgamentos conflitantes, adveio a Lei 11.051/04, a qual inseriu o parágrafo 4º, do artigo 40, da Lei n. 6.830/80, estabelecendo a possibilidade do exeqüente requerer a prescrição intercorrente quando verificada a inércia do Fisco, tendo decorrido o lapso temporal superior a cinco anos, a contar da decisão que ordenou o arquivamento dos autos. Porém, a única ressalva é de que antes da decretação de ofício da prescrição faz-se necessário ouvir a Fazenda Pública.

É nesse sentido os atuais decisuns, eis que se verifica a inviabilidade de onerar o Poder Judiciário com as excessivas demandas processuais em suspenso, bem como os exeqüentes ficarem ao crivo do Fisco ad eternum, já que cabe a este informar o endereço do exeqüente ou a localização de bens passíveis de honrar o crédito fiscal.

Importante frisar que em 08 de março de 2006, após vários casos com relação ao assunto e em conformidade com o dispositivo legal, o Superior Tribunal de Justiça inseriu a súmula 314: “Em execução fiscal, não localizados bens penhoráveis, suspende-se o processo por um ano, findo o qual se inicia o prazo da prescrição qüinqüenal intercorrente”.

Destarte, a integração da súmula no ordenamento jurídico trouxe à baila importante precedente ao direito tributário, assim, mais um fundamento complacente ao sujeito passivo fiscal.

Por assim dizer, a legislação pátria constatou ser ilegal a desídia do Fisco nos processos de execuções fiscais, observando o princípio da segurança jurídica na busca irrestrita pelos direitos fundamentais.
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.