Quem Somos  |  Produtos e Serviços  |  Presidente  |  Nossos Escritórios  |  Contato
 
Jurisprudência
Doutrinas e Artigos
Perguntas e Respostas
 
 
Principal
Áreas de Atuação
Jurisprudência/Casos de Sucesso
Esportes
Doutrinas e Artigos
Informativo Tributário
Notícias
Clipping
Eventos
Publicações
Representantes
Área Restrita
 
 
Pesquisar
 
 
 
Lei Kandir – Disputa entre União Federal e Estados
Dra. Carolina Salanti Ferrari

    Efetividade

    A Lei Kandir, Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996, (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp87.htm), foi criada para desonerar da incidência do ICMS as exportações de produtos primários e semimanufaturados, incluindo aí mercadorias usadas para fabricar produtos para exportação.

    Prevê em seu texto original que a União repasse recursos complementares aos Estados para ressarci-los, em parte, da perda de receita causada pela desoneração, e, previa originalmente, o valor a ser repassado aos Estados, mas em 2002 uma alteração na legislação deixou o valor em aberto, para ser negociado todos os anos entre os Estados e a União.

    Acontece que o referido repasse não tem acontecido já que alega a União Federal que a lei não traz obrigatoriedade de repasse de recursos, só em caso de perda de arrecadação. Entende que o aumento de arrecadação proporcionado pelo incremento na atividade em geral devido às exportações já compensaria a devolução do ICMS.

    Além disso, afirma a União, que há problema de orçamento neste momento com discussão de medidas provisórias, o que impede a liberação dos valores pleiteados pelos Estados.

    Em função disso, discutiram no ano passado e persistem em discussão esse ano, União Federal e Estados, sobre a retenção das verbas que já estavam previstas no Orçamento deste ano, e com as quais os Estados contam.

    Pleiteiam os Estados a inclusão de um valor fixo de repasse no Orçamento da União, pois não podem e não conseguem arcar sozinhos com a devolução do ICMS

    Um exemplo do descumprimento da Lei pela União Federal, são os créditos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos exportadores catarinenses, que garantidos pela Lei Kandir, somavam no final de 2006 R$ 800 milhões, e isso significa mais que o orçamento mensal do governo de Santa Catarina. O calote do governo federal, que tem repassado recursos de apenas R$ 3,5 milhões por mês ao Governo de Santa Catarina, vem arrombando as contas daquele Estado, pólo de importantes empresas exportadoras.

    O governo estadual catarinense disponibilizou mais de R$ 30 milhões do próprio caixa no ano de 2006 para cumprimento da Lei. Pode parecer pouco perto do montante devido, mas, com este montante, daria para construir um novo hospital no Estado. Para se ter uma idéia, com os R$ 800 milhões seria possível executar integralmente oito vezes o programa de pavimentação em todo o Estado, segundo dados fornecidos pelas Secretarias estaduais.

    Como a cada ano que passa, as exportações catarinenses aumentam, a tendência, conforme explica o diretor do Tesouro de SC, é de que esta dívida se multiplique, uma vez que o governo federal sequer tem contemplado a Lei Kandir no Orçamento Geral da União.

    Nesta mesma situação, encontra-se o Estado do Rio grande do Norte, que desde a implantação da Lei, acumula cerca de R$ 145 milhões em perdas do ICMS. Conforme informações da Secretaria da Fazenda daquele Estado, o Governo Federal repassou apenas R$ 38,4 milhões, os quais foram utilizados ao longo dos anos em que chegaram ao Estado: o primeiro repasse foi em 1996 (R$ 2,2 milhões), depois somente em 2000 (R$ 7 milhões) e nos três anos seguintes (R$ 9,7 milhões, R$ 10,7 milhões e R$ 8,7 milhões).

    Neste mesmo passo, apenas no em 2006, o prejuízo do Estado do Rio Grande do Sul e dos municípios exportadores do Rio Grande foi de R$ 1,221 bilhão. Deste saldo, o RS deixou de receber R$ 760 milhões correspondentes ao fundo de compensação e R$ 156 milhões de IPI Exportação. Já os municípios perderam R$ R$ 253 milhões e R$ 52 milhões nas duas formas de ressarcimento.

    Esses recursos fazem falta nos Estados para os serviços essenciais das áreas de educação, saúde e segurança, para a infra-estrutura, para a conservação das estradas, para as obras públicas que precisam ser realizadas, para as despesas de pessoal que precisam ser custeadas e são limitadas por um percentual da receita corrente líquida. Se a receita corrente líquida do Estado tivesse sido aumentada com esses valores (dos prejuízos apurados), concursos públicos poderiam ser realizados para prestação dos serviços essenciais aos cidadãos, e haveria suficiente sobra de recursos para investimentos.

    Entretanto, o problema maior é que a falta de repasses do governo federal para os créditos de ICMS dos exportadores provoca a descapitalização das empresas. Obrigados a procurar por instituições financeiras para garantir o capital de giro, os empresários arcam com os maiores juros do mercado.

    A situação é grave em muitos setores exportadores dos Estados, porque além dos créditos de ICMS, existem também os créditos federais de PIS, Cofins e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Todos em situação de insolvência.

    Como as companhias não incluem no preço final de seus produtos este valor dos créditos recebíveis, o não repasse ocasiona uma preocupante descapitalização, porque a alternativa é buscar financiamentos de curto prazo, justamente o dinheiro mais caro do mercado. A obtenção destes recursos, muitas vezes, passa pela necessidade de dar em garantia bens das indústrias. A falta de repasses do governo federal para os créditos de ICMS dos exportadores provoca a descapitalização das empresas. Obrigando-os a procurar por instituições financeiras para garantir o capital de giro, os empresários arcam com os maiores juros do mercado.

    Alternativa

    A pirâmide de concentração de recursos está invertida, conforme informam diversos economistas, porque Brasília concentra cada vez mais o dinheiro público, na ordem de 65%, enquanto os estados ficam com 23% e os municípios, com somente 12%.

    Alguns Estados encontraram alternativas, mas elas já não são mais suficientes para tapar o buraco que Lei Kandir vem provocando nos cofres públicos. Através de Parcerias, surgiu a idéia de trocar por débitos com o governo milhões em créditos de ICMS.

    Outra vez citando como exemplo o Estado de SC, segundo notícia publicada em 27/02/2007 no Diário Catarinense, cerca de 1,4 mil empresas deste Estado terão solucionada parte da polêmica que envolve os créditos a elas devidos conforme os termos da Lei Kandir. A medida provisória editada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na sexta-feira, garante o repasse de R$ 975 milhões aos estados e municípios, dos quais 4,9% virão para SC, cerca de R$ 47,9 milhões.

    A dose é considerada homeopática pelo setor produtivo, já que, segundo a Secretaria da Fazenda/SC (Sef), a dívida da União com os exportadores catarinenses ultrapassa R$ 600 milhões. A quantia que será remetida ao Estado agora - a primeira parcela cai no dia 28; a segunda, em 30 de março - é superior ao total repassado em 2006, que foi de R$ 43 milhões.

    Entretanto, esta e outras dificuldades, como a apreciação do real frente ao dólar, estão ofuscando a prosperidade dos negócios externos dos. O ano de 2007 começou em baixa, revelou, neste mês, a FIESC (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina). Em 2006, o crescimento foi de 7%, ante os 15% e os 30% dos dois anos anteriores e subseqüentes.

    O ideal é que sejam criados mecanismos automáticos de repasse dos créditos. Em reunião recente com os governadores dos estados do MS, SC, PR e RS, que integram o Codesul - bloco formado por Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul, os presidentes da FIESC, da FIEP e da FIERGS apresentaram reivindicações neste sentido.

    Atualmente

    Além do exposto, a Câmara dos Deputados aprovou, por 339 votos a um, o projeto de lei complementar que adia de janeiro de 2007 para janeiro de 2011 a criação de novas isenções fiscais previstas na Lei Kandir. O projeto, do senador Rodolpho Tourinho (PFL-BA), segue agora para assinatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    A partir de janeiro, os exportadores também poderiam abater do imposto a compra de produtos para consumo próprio, energia elétrica e telecomunicações.

    Contudo, a isenção foi adiada porque iria aumentar a perda de arrecadação dos governos estaduais.

    Conclusão

    Portanto, os créditos da Lei Kandir que deveriam beneficiar todas as empresas exportadoras contribuintes, capazes de gerar novos empregos e colaborar para o desenvolvimento dos Estados e da nação em geral, acabou por apenas ocasionar mais uma vez uma falsa idéia de melhoramento e uma flagrante ilusão de progresso, podendo causar uma migração constante das empresas de um Estado para o outro buscando atingir os benefícios prometidos.

    Fontes: Diário Catarinense
    Jornal Zero Horas
    www.planalto.gov.br
    www.agenciabrasil.gov.br
    www.estado.rs.gov.br
    www.aenoticias.pr.gov.br

    Carolina Salanti Ferrari
    OAB/RS 59.077

    Graduada em Ciências Jurídicas e Sociais pela UNIRITTER

    Porto Alegre, 01 de março de 2007.
<< Voltar
Édison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S - OAB/RS 22.136 - OAB/SC 22.281-A - OAB/GO 28.659-A - OAB/MG 92.047 - OAB/RJ 2.541-A - OAB/SP 17.2838-A - OAB/DF 2.074-A - OAB/MT 10.305-A - OAB/BA 23.016
A Ordem dos Advogados de Portugal - OAP/Lisboa 21.530L
Todos os direitos reservados © 2008
CA 91362
English version
Nosso trabalho e história profissional estão disponibilizados nesta página. Nossas atividades profissionais são reguladas pela Lei Nº 8906, de 04/07/1994, razão pela qual as nossas informações serão disponibilizadas mediante a comprovação de vosso efetivo interesse demonstrando a opção e a vontade de entrar no nosso site.